sábado, 18 de outubro de 2008

Quando o marketing é culpado pela derrota


É muito raro o marketing ser responsável sozinho por uma derrota ou por uma vitória. Mas acontece. E tem ocorrido com mais frequência.
Normalmente,os erros de campanha têm origem nos erros de avaliação política. Assim como não há propaganda que resolva os problemas de vendas de um mau produto, não tem marketing que faça votos com uma política equivocada.
Serra para presidente - a origem dos erros foi o posicionamento político do tucano, que não queria defender Fernando Henrique. Alckmin, o Geraldo - a origem dos erros esteve na política da oposição, focada no tema da ética. Aos olhos do povo, os tucanos e demos ficaram pregando moral de cuecas enquanto Lula trabalhava pelo país.
Nestas eleições, contudo, uma determinada escola de marketing tem cometido erros monumentais. É uma das mais importantes escolas do país. Chega a ser impressionante. São erros tão grosseiros que parecem resultado de aplicação de marketing de manual.
Me lembram as agências de publicidade especializadas em ganhar prêmios que fazem propagandas criativas e bonitas, mas totalmente ineficientes. Há casos em que as agências enterram os produtos e suas empresas, mas seguem firmes no mercado se vendendo como criativas, dizendo que a culpa não foi delas.
O marketing político não está muito distante disso.

3 comentários:

Anônimo disse...

Você tem razão. Olha o que esta turma que está com a Marta fez com ela. Acabou com o principal patrimônio que ela tinha - a trajetória de combate aos preconceitos - em 30 segundos.
Tenho um amigo que diz que esse pessoal ainda é maluf de carteirinha....

Anônimo disse...

Tenho que concordar também que, por mais que possamos achar que a influência pessoal é definitiva, ela não é. Não foi neste e em muitos outros casos. Parabéns pelo blog.

Vera Spolidoro disse...

Estás coberto de razão, Paulo. Candidato não é produto! Não adianta ter uma receita e aplicar de sul a norte do país. Um abraço!